sábado, 8 de dezembro de 2012

Você sente ciúme?




De acordo com pesquisas, todos já sentiram ciúme alguma vez na vida, portanto este sentimento parece ser universal. O ciúme é considerado uma doença quando a sua intensidade é desproporcional ao real risco trazido para o relacionamento. Há desconfiança excessiva e infundada, os comportamentos são inaceitáveis, o que traz prejuízos significativos para o relacionamento, geralmente sofrimento para ambos os envolvidos, que vivem em estado de tensão e estresse constante.

Muitas pessoas sentem ciúme da relação que o outro tem com alguém ou objeto específico e normalmente está ligado a um sentimento de exclusão ou sensação de ameaça à estabilidade do relacionamento. A reação ao ciúmes é uma forma de defesa do risco de perder o “objeto” amado.

Este sentimento pode estar relacionado a fatores como: insegurança, baixa autoestima, alto grau de dependência, necessidade de controle, experiências passadas de traição ou perdas vividas por si ou por terceiros, entre outros.

Caso você perceba que seu ciúme vem prejudicando sua relação e sua saúde emocional, seguem dicas para aprender a lidar com este sentimento:

- Avalie as evidências em que se baseiam suas ideias e tente pensar em outras possibilidades e hipóteses.
- Cuidado para não generalizar. Ter vivido uma experiência ruim, não significa que isso vai se repetir com todo mundo.
- Perceba os outros sinais, aqueles que indicam que a pessoa se importa com você. O ciumento muitas vezes não percebe as evidências que contradizem suas ideias.
- Avalie e verifique quais as situações e comportamentos emitidos pelo outro que faz com que você se sinta inseguro e ameaçado. Tente dialogar.
- Amplie sua rede de relacionamentos. O ciúme pode estar relacionado à dependência excessiva em relação ao outro.
- Avalie a ideia que cada um faz de um relacionamento, pois as expectativas como segurança, conforto e estabilidade podem ser divergentes.
- Não hesite em procurar ajuda profissional caso esteja causando sofrimento.
- O mais importante: fortaleça sua autoestima. Sentir-se bem consigo é essencial para vencer o ciúme.

O equilíbrio emocional é fundamental para manter um relacionamento saudável.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Ops… deu branco!



Com certeza isso já aconteceu com você. No meio de uma conversa e… perai…está na ponta da língua! De repente, dá aquele branco, conhecido como “ato falho”.

Achava que isso não tinha explicação? Até Freud explica.

Ato falho é um equívoco na fala, na memória, em uma atuação física, provocada hipoteticamente pelo inconsciente, isto é, através do ato falho o desejo do inconsciente é realizado. Isto explica o fato de que nenhum gesto, pensamento ou palavra acontece acidentalmente.

Os atos falhos são diferentes do erro comum, pois este é resultado da ignorância ou conveniência. Freud evidenciou que o ato falho era como sintoma, constituição de compromisso entre o intuito consciente da pessoa e o reprimido.

Ato falho abrange também erros de leitura, audição, distração de palavras. São circunstâncias acidentais que não têm valor e não possuem consequência prática.

Os atos falhos são compreendidos por muitas pessoas como falta de atenção, cansaço, eventualidade. Fonte: Brasil Escola

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

O que você tem a me dizer?



PESQUISA: Se você soubesse que estaria conversando comigo pela última vez, o que você me diria? Foi um bom amigo? Já vai tarde? Tanto faz? Calma, não penso em morrer tão cedo. Apenas gostaria que me falassem em vida o que sentem a meu respeito, sem máscaras. Quer me pedir desculpa? Dizer que me ama?  Exponha-se. Detestaria que alguém sofresse com o remorso mais tarde. Ou que tivesse perdido a oportunidade de me dizer algo na “cara”. Tem medo? Então? Diga-me AGORA, antes que eu me cale para sempre... (sinistro,mas real)...

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Comer um pouco de terra pode fazer bem! Como assim?



Parece loucura, mas há um estudo que indica uma maneira de manter um equilíbrio saudável de bactérias: comer terra.

Enquanto os mercados de produtos orgânicos proliferam nos Estados Unidos, Jeff D. Leach escreveu no “Times”, seu impacto mais significativo talvez não sejam os alimentos saudáveis que oferecem, mas “seu papel como veículo para colocar a terra de volta na dieta americana e nesse processo readaptar o sistema imunológico humano com alguns ‘velhos amigos’”.

Segundo o autor, esses “velhos amigos”, que incluem micro-organismos patogênicos e benignos, já fizeram parte da dieta quando a maioria das pessoas vivia em fazendas e comia produtos tirados do chão, em vez da prateleira dos supermercados. Esses “amigos” já protegeram os seres humanos de alergias alimentares e distúrbios autoimunes que aumentaram em um ritmo assustador nas últimas décadas.

Um estudo realizado durante cinco anos por 200 cientistas de 80 instituições dos EUA poderá fazer muito para mudar a imagem negativa das bactérias. O Projeto do Microbioma Humano sequenciou o material genético de bactérias de 250 pessoas saudáveis e descobriu que os 100 trilhões de bactérias que vivem em nosso corpo são importantes para nossa saúde.

Essa pesquisa sugere que reintroduzir organismos da terra e da água “ajudaria a evitar uma super-reação do sistema imune, em vez de uma reação salutar, resultando em doenças crônicas como diabetes tipo 1, doença inflamatória do intestino, esclerose múltipla e uma série de distúrbios alérgicos”, escreveu Leach. Fonte: blodasaude.com.br

Enquanto for só terra, tudo bem(?). Meu medo é que o que possa vir pela frente...

domingo, 29 de julho de 2012

(Sem terra) Das oportunidades



Em meus 34 anos de vida, aprendi a dar valor ao trabalho desde muito cedo. Aos 12 anos, mais ou menos, já ajudava meu tio, hoje falecido, em sua oficina. Trabalhava, assim como ele, na profissão de chapeador. E a vida era fácil!

Na adolescência, estudei na então Escola Estadual Professor Isaías, onde por força do trabalho, tive que estudar à noite, pois o INSS me esperava. E lá fiquei por mais de um ano como estagiário. Mesmo assim, a vida realmente era fácil.

Por quase três anos, fui balconista em uma farmácia da cidade, quando ainda não era necessária a presença de um profissional com formação em farmácia. Cuidava desde a chegada dos medicamentos, sua venda, os trâmites burocráticos, serviços bancários e limpeza em geral. Mas quer saber, a vida era fácil!

Acreditem, trabalhei de repórter durante 03 anos em nosso glorioso torneio Romeu Goulart Jacques, hoje Copa Santiago. Serviço por temporada, mas com dedicação exclusiva. Não precisa sem dizer que, além do prazer que a ocupação me proporcionava, a vida era fácil!

Perambulando por aí, acabei na profissão de Auxiliar de Tecelão em uma fábrica conceituada na cidade. Os turnos, embora “ilegais”, eram de 10 horas, com apenas 30 minutos de intervalo. O serviço era duro e a rotina massacrante. Mas mal sabia eu, que a vida ainda era fácil!

Durante 03 anos, trabalhei como cobrador no transporte coletivo na cidade de Santiago. Foram os anos mais rentáveis e os mais difíceis de minha vida, pois tive que abrir mão, por inúmeras vezes, da companhia de meus familiares. Entrei e sai pela porta da frente, com o apoio dos “patrões“. Queria estudar, voar mais alto. Afinal, a vida ainda era fácil!

Morei fora por 01 ano e meio, mas ou menos. Voltei para realizar um sonho, a formação acadêmica. Foi aí que a vida começou a deixar de ser fácil! Durante o período de estudos, tive a sorte e a devida oportunidade, de trabalhar com alguém muito próximo que, até hoje, além dos laços familiares, preservam-se as relações trabalhistas.

Pois bem. Formei-me! Casei com a melhor mulher que poderia encontrar e tive a filha mais linda que poderia imaginar. Toda a minha trajetória trabalhista, de dificuldades e esforços, só vieram dignificar ainda mais minha nova profissão, a de psicólogo. Mas estranhamente, a vida acabou ficando, agora, nada fácil!

Descobri que moro em cidade que conta muito o padrinho, o sobrenome, o status, as aparências, o dinheiro, ou seja, as coisas mais supérfluas possíveis, embora sejam, ao mesmo tempo, as mais separatistas que se possa imaginar. Descobri muitos caciques para poucos indos, muitos coronéis que, ironicamente, passam despercebidos por parte da população, de sua patente.

Quando jovem, confesso: queria muito ir embora! Mas era coisa de jovem, por assim dizer. Por incrível que pareça, nossa Santiago é uma cidade das mais aconchegantes do interior deste estado. Voltei, fiquei, decepcionei (me)! Não vejo a hora de ir embora! Não pela cidade em si, mas pelos “meandros” que regem as administrações locais. Queria uma oportunidade igual. De me fazer conhecer, mas sem precisar de dinheiro para isso. Estaria você me criticando, dizendo que eu corra atrás da máquina e me faça conhecer por meu trabalho? Você realmente não tem noção da desigualdade a que “falo”. Ou então faça parte da minoria (?) dominante que cresceu em berço de ouro e jamais precisou trabalhar duro na vida. Quem sabe fez-se valer do sobrenome? Padrinho? Tem certeza? Quem sabe paitrocinado? Têm muitos! Mas bola pra frente. Vê-se que a vida já não é assim tão fácil...

Apenas sonhei, talvez, não precisar incentivar minha filha a tomar o caminho de muitos e muitos: a rodoviária... E se for... quiçá, vá junto... sonho! Mas como já disse por aí: as oportunidades estão aí. Todos os dias elas partem, inúmeras, todas da estação rodoviária.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Profissões que estão acabando



O avanço tecnológico faz com que novas profissões surjam no mercado de trabalho e com que outros cargos fiquem para trás tornando-se obsoletos.

A evolução da tecnologia modifica a realidade em que vivemos e, consequentemente, altera o mercado de trabalho. Ao longo dos anos, diversas profissões foram eliminadas, devido à substituição de trabalhadores por máquinas e, hoje, fazem apenas parte do passado. Profissões como datilógrafo, chapeleiro, telegrafista, alfaiate, arquivista e engraxate são desconhecidas para a nova geração, enquanto outras passaram por grandes modificações.

A tendência é que, com o passar do tempo, mais profissões sejam extintas, devido ao surgimento de novas atividades ligadas à tecnologia.

A revista norte-americana Forbes, especializada em economia e finanças, divulgou recentemente lista que indica uma previsão de profissões que serão extintas gradativamente até 2020. A pesquisa foi baseada em dados apresentados pelo governo americano que prevê um desgaste considerável no número de profissões que exigem baixa qualificação do profissional, como assistentes administrativos, costureiras, agricultores, técnicos e operadores de computadores, entre outras.

O mercado, cada vez mais competitivo e tecnológico, tende a exigir trabalhadores mais qualificados e preparados. As novas e promissoras profissões precisam de especialização e atualização constante dos profissionais para que sejam bem executadas.

Veja quais são as profissões ameaçadas, segundo a Forbes:
1 - Agricultor, fazendeiro ou gerente no setor
2 - Carteiros, separador e operador de serviços postais
3 - Operador de máquina de costura
4 - Operador de painel de controle
5 - Cozinheiro de rede de fast food
6 - Pescador e silvicultor
7 - Processador de dados
8 - Digitador
9 - Vendedor de porta em porta, jornaleiro e vendedores de rua
10 - Gerentes e administradores de restaurantes
11 - Montadores de equipamentos elétricos ou eletrônicos
12 - Arquivologista ou Arquivista
13 - Técnicos de impressão
14 - Operadores de computador
15 - Gerentes e superintendentes de serviços postais
16 - Assistentes de escritório
17 - Técnicos de produção da indústria têxtil
18 - Floristas
19 - Operadores de refinarias e extração de petróleo
20 - Consultores financeiros de empréstimos                     Fonte: yahoo

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Surras x Transtornos Mentais



Pessoas que levaram surras na infância têm maiores chances de sofrerem de doenças mentais quando adultas, incluindo distúrbios de humor e ansiedade, além de problemas com o uso abusivo de álcool e drogas, revelaram cientistas nesta segunda-feira.

O estudo, liderado por pesquisadores canadenses, é o primeiro a examinar a relação entre problemas psicológicos e danos físicos, sem considerar agressões mais graves ou abuso sexual, para medir com mais eficácia os efeitos da punição física isoladamente. Aqueles que apanhavam quando crianças tinham uma probabilidade entre 2% e 7% maior de sofrer de doenças mentais mais tarde, indicou a pesquisa na publicação americana Pediatrics, baseada em uma investigação com mais de 600 adultos dos Estados Unidos.

A taxa parece pequena, especialmente porque cerca de metade da população americana afirma ter apanhado na infância, No entanto, ela mostra que os castigos físicos podem trazer consequências futuras, dizem os especialistas. "O estudo é importante porque sugere uma reflexão sobre a paternidade", afirma Victor Fornari, diretor da divisão de psiquiatria da criança e do adolescente do Sistema Único de Saúde Judaica de North Shore-Long Island, em Nova York.

A taxa "não é dramaticamente maior, mas é maior, o que sugere que o castigo físico é um fator de risco para o desenvolvimento de distúrbios mentais na idade adulta", disse Fornari, que não esteve envolvido no estudo. Pesquisas anteriores já mostraram que crianças abusadas fisicamente tinham mais distúrbios mentais quando adultos, e têm mais chances de apresentar um comportamento agressivo que crianças que não apanharam.

Entretanto, esses estudos geralmente lidavam com abusos mais graves. A pesquisa atual exclui abuso sexual e qualquer abuso físico que deixe hematomas, cicatrizes ou ferimentos. Em vez disso, ele foca em outros castigos físicos, como empurrões, agarrões, tapas ou palmadas. Dois a 5% dos entrevistados sofriam de depressão, ansiedade, transtorno bipolar, anorexia ou bulimia, o que pode ser atribuído aos castigos na infância. Já 4% a 7% tinham problemas mais sérios, incluindo transtornos de personalidade, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e dificuldades de raciocínio.

Os pesquisadores destacaram que o estudo não pode garantir que os castigos físicos tenham sido a causa das doenças em alguns adultos, e sim que há uma ligação entre as lembranças relacionadas a essas punições e uma maior incidência de problemas mentais. Os participantes foram perguntados: "Quando criança, com que frequência você era empurrado, agarrado, estapeado ou levava palmadas dos seus pais ou de outro adulto que vivia na sua casa?" Os que responderam "às vezes" ou mais foram incluídos na análise.

Novas pesquisas poderão se aprofundar mais no assunto. Enquanto isso, o estudo serve para lembrar que existem outras opções para disciplinar as crianças, como o reforço positivo e a proibição de algum lazer, o que é mais aconselhado pelos pediatras. "O fato é que metade da população (americana) apanhou no passado. Há maneiras melhores de os pais disciplinarem as crianças", disse Fornari. Fonte: yahoo

Ainda há quem defenda... Pois é...

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Como Identificar um Mentiroso



Algumas mentirinhas fazem parte do cotidiano de muita gente. Se você não está bem e não quer divulgar o seu estado emocional, responde o “tudo bem?” com “tudo” e nada mais. Mas algumas pessoas exageram nas histórias falsas e se tornam viciados na mentira. 

Quando o mentiroso perde a noção das consequências dos danos causados pelos seus atos, isso se torna uma doença, a mitomania. Essa doença necessita de tratamento que envolve atendimento psicológico e, em alguns casos, medicamentos antidepressivos para elevar a autoestima do paciente. O mitômano precisa aprender que mentir incomoda e pode prejudicar as pessoas.

Entretanto, as mentirinhas de todos os dias deixam alguns sinais. O inconsciente de quem mente é mais forte e o acusa por meio de detalhes quase imperceptíveis. Que tal ser um detector de mentiras ambulante? Poder desmascarar os mitômanos apenas ao ouvir sua história pode realmente cumprir o ditado que afirma que “mentira tem perna curta”.

Aqui vão algumas dicas para saber se uma pessoa está mentindo ou não:

1. Desvio de olhar: quem mente, costuma ter dificuldade em fixar o olhar e, até mesmo, olhar nos olhos, de forma natural.

2. Olhar fixo: para evitar ser pego na mentira porque não consegue “olhar nos olhos”, há mentiroso que exagera no “olho no olho”. Isso acontece com o propósito de tentar convencer o outro a acreditar em sua história.

3. Piscar: ao mentir, a pessoa tende a dar piscadas mais longas. Afinal o cérebro em uma atitude de recusa ao que a pessoa está dizendo, provoca piscadas em que os olhos permanecem fechados por mais tempo do que o habitual.

4. Voz: pode ficar trêmula, cortada e sem fluidez, além disso, o tom pode ficar baixo e projetado para dentro.

5. Mãos: ao mentir, a pessoa fica nervosa e ansiosa e, quando isso acontece, o organismo entra em estado de alerta, pois a temperatura periférica tende a cair. Por isso, é natural as mãos ficarem geladas, trêmulas e agitadas.

6. Pele: o nervosismo também pode alterar a cor e a aparência da pele, deixando a pessoa mais vermelha ou mais pálida.

7. Fala: rodeios, justificativas e fala em excesso podem denunciar a mentira. Em especial, quando a pessoa não tem o costume de ser prolixo e começa a demorar demais para chegar ao objetivo da conversa.

8. Pausas: os intervalos durante a fala podem indicar que o cérebro do ‘mentiroso’ precisa processar as informações, por isso a pessoa pode quebrar a fluidez do bate-papo com pausas aleatórias.

9. Mãos nos bolsos: sinal de que a pessoa está escondendo algo, de que está fechada a dar ou receber informações.

10. Olhar para o lado esquerdo: este é o lado da criação de quem é destro, portanto, quando uma pessoa é indagada e move os olhos para a esquerda, pode estar com a intenção de inventar uma resposta.

11. Saliva: quando o corpo entra em alerta, por uma situação de estresse, é natural cessar a produção de saliva e a pessoa começa a “engolir seco”. Geralmente, durante a fala, o mentiroso fica com a boca seca.

12. Coceiras: este é outro sintoma que denuncia a mentira, pois o cérebro recusa a história falada e provoca estímulos que podem levar a mão à boca, ouvidos e aquela coceirinha na cabeça.

13. Face: a estratégia de análise da face é muita usada para identificar mentirosos. Isso porque é fundamental que fala e estejam congruentes, quando isso não ocorre, existe algo errado.

Com essas dicas ficou mais fácil identificar possíveis mentirosos a sua volta. Ponha em prática e, quem sabe,  tenha surpresas não tão agradáveis em seus relacionamentos diários.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

As 10 profissões que mais engordam



Um estudo da CareerBuilder conduzido com mais de 5.700 trabalhadores, analisou a propensão em relação ao aumento de peso de diversas áreas profissionais. Confira as dez mais:

1º - Agente de Viagens
2º - Advogado e juiz
3º - Assistente social
4º - Professor
5º - Artista, Designer e Arquiteto
6º - Auxiliar administrativo
7º - Médico
8º - Policial e Bombeiro
9º - Marketing e Relações Públicas
10º - Tecnologia da Informação                                                                            Fonte: CareerBuilder

- Isso porque a profissão de blogueiro ainda não é regulamentada.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

A Música no Trabalho



Estamos envoltos por sons em quase todas as atividades que realizamos. Não importa qual seja o estilo de sua preferência, as músicas sempre despertam uma sensação diferente dentro de você, consciente ou não. Mas, será que seu efeito é positivo dentro do ambiente de trabalho.

Conhecida como “efeito Mozart”, uma teoria defende que ouvir música clássica aumenta a aptidão espaço-temporal e, por tanto, auxilia o aprendizado e desenvolvimento matemático. A tese do otorrinolaringologista francês, Alfred Tomatis, filho de um cantor de ópera também estabelece uma relação da música com a habilidade de aprender línguas estrangeiras e acabar com a depressão.

Dependendo da profissão que você desempenha, a música pode ser uma excelente alternativa para estimular criatividade e aliviar tensões. Por outro lado, tarefas que requerem mais atenção podem ficar prejudicadas pelo desvio de atenção ou um “lá lá lá” vindo do colega do seu lado ou de você mesmo.

A música colabora com as relações interpessoais e propicia integração. Nas questões intrapessoais ela também promove auto-estima e alivia tensões. Mas, cada pessoa tem seu ritmo de trabalho, funções e preferências, por isso o melhor a fazer quando você divide um espaço corporativo com outras pessoas é utilizar fones de ouvido ou mesmo perguntar se o som atrapalha o desempenho do seu colega de trabalho.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

O Cérebro Hipnotizado





Pela primeira vez, neurologistas conseguiram enxergar um cérebro hipnotizado. Graças a exames que registram as áreas cerebrais ativadas durante o transe, o mistério da hipnose começa a ser decifrado.

O assunto sempre gerou controvérsia. Tem gente que acha a hipnose um jogo teatral. O hipnotizado fingiria sensações que seu cérebro não sente, querendo se iludir, mas, no fundo, no fundo, sabendo da farsa. E tem gente que vê na hipnose um estado neurológico especial. Nele, o cérebro focaria a atenção no assunto sugerido pelo hipnotizador, sem dar bola para outras informações registradas naquele momento. Ok, tudo continuaria não passando de ilusão. Mas com uma enorme diferença: o cérebro é que seria iludido, sentindo de fato o que o hipnotizador lhe sugerisse. Seria possível até ver o cérebro sendo enganado. Aliás é exatamente isso o que está fazendo um grupo de cientistas americanos - eles entraram de cabeça na hipnose para desvendar seus mistérios e acabar com a polêmica.

Os resultados preliminares desse estudo, são espantosos. Dezesseis voluntários observaram imagens em cores na tela de um computador. Depois de hipnotizados, eles foram levados a acreditar que a mesma figura colorida, vista outra vez no monitor, era toda cinza. Nesse instante, o cérebro ativou uma região que inibe a visão das cores. Ou seja, sem nenhuma possibilidade de farsa, o cérebro passou a ver em preto e branco. Mais tarde, os mesmos voluntários foram induzidos a ver cores em imagens onde elas não existiam. E, outra vez, bingo! Os resultados confirmaram que o cérebro estava mesmo "vendo" colorido.

 Olhos fechados, mente atenta e concentrada

"A gente ainda não conhece os detalhes do processo, mas o quadro está cada vez mais claro", disse o americano Stephen Kosslyn, psicólogo e neurologista da Universidade Harvard, um dos coordenadores da experiência, que também contou com psiquiatras da Universidade Stanford, radiologistas do Hospital Geral de Massachusetts, em Boston, além de neurologistas do Memorial Hospital, de Nova York. Para esse time da pesada mergulhar na hipnose, um equipamento foi fundamental: o PET, que mostra com precisão quais regiões cerebrais estão sendo ativadas a cada momento.

Há pouco mais de dois anos, o PET passou a ser usado para a investigação da hipnose. Kosslyn explica: "Exames mais antigos, como o do eletroencefalograma, poderiam até mostrar a região da visão sendo ativada como um todo, mas não informariam se o indivíduo estaria enxergando colorido ou em preto o branco aquilo que afirmasse enxergar". Segundo o psiquiatra David Spiegel, da Universidade Stanford, o PET também confirmou outro ponto importante: "Os centros ligados à atenção permanecem ativos".

Nessa tecla, o fisiologista italiano Giancarlo Carli já vem batendo há mais de uma década, apesar de a palavra hipnose, criada no final do século XIX, ser derivada de Hypnos, o deus grego do sono. "A hipnose é um estado de vigília. Ela nada tem a ver com adormecer", afirma ele, que é considerado um dos maiores especialistas mundiais no assunto. "O próprio eletroencefalograma já indicava isso ao registrar as ondas cerebrais. Durante o sono, há ondas bastante típicas, que nunca aparecem nos hipnotizados. Mesmo aqueles que chegam ao grau mais profundo da hipnose apresentam ondas cerebrais de quem está acordado."

Se os cientistas entendem melhor o que é a hipnose, eles pouco sabem sobre a trajetória que leva o cérebro a esse estado. Há indícios de que uma estrutura cerebral semelhante a uma rede, chamada formação reticular, funciona como elo entre a voz do hipnotizador e a massa cinzenta do hipnotizado. "A formação reticular controla a vigília e o sono e ainda seleciona em que informações devemos nos concentrar", explica o psiquiatra Fernando Portela Câmara, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

A tese mais aceita é a de que as palavras do hipnotizador, processadas pelo nervo auditivo, alcançam a ponta dessa rede, na base do cérebro, e se espalham por toda a massa cinzenta. Por se tratar de estímulos repetitivos quando eles chegam no lobo frontal, região atrás da testa, concentram a atenção do paciente em um único foco, inibindo tudo o que está ao redor.        Fonte: Revista Superinteressante

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Critérios para aborto em anencéfalos





Nesta segunda-feira, dia 14/05/2012, o Diário Oficial da União publicou os critérios necessários para que a mulher grávida de um feto anencéfalo (malformação do tubo neural e ausência parcial do encéfalo) possa interromper a gestação.  As normas foram determinadas pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) após um mês da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que descriminalizou o aborto de anencéfalos no dia 12/04/2012.

De acordo com a divulgação, a gestante só poderá ser submetida ao procedimento depois que fizer ultrassom detalhado e assinado por dois médicos. O exame, que deve ser feito a partir da 12ª semana  de gestação, tem que trazer registradas três fotografias do feto: duas verticais e outra detalhando a caixa encefálica.

Outro ponto abordado na divulgação é o cuidado com que as gestantes devem ser tratadas pelos profissionais. Os médicos devem zelar pelo bem-estar da paciente e a cirurgia de interrupção só poderá ocorrer em hospitais com estrutura adequada.

terça-feira, 24 de abril de 2012

O pequeno João Francisco precisa de ajuda!


Aos seis meses da sua gestação foi descoberta uma má formação cardíaca. O diagnóstico inicial foi de Atresia pulmonar (devido à uma agenesia da válvula pulmonar), este problema na verdade significa que não tem circulação no ventrículo direito, o que leva a uma hipotrofia muscular, ou seja, devido a falta de circulação o ventrículo direito não desenvolve. Após o nascimento foi revisto o diagnóstico para atrofia da válvula pulmonar (ela existe, porém não é funcional), então com um dia de vida ele foi submetido a um cateterismo com o intuito de dilatar a válvula pulmonar para permitir fluxo ao ventrículo. Porém este procedimento não foi efetivo, e aos dez dias foi realizada uma cirurgia denominada Shunt + PCA, onde o sangue foi direcionado ao pulmão sem necessitar do funcionamento do ventrículo. No entanto, este Shunt teve capacidade de “suprir” a circulação por um tempo e agora ele não é mais suficiente. Então o João necessita fazer uma nova cirurgia, que por segurança deve ser realizada nos Estados Unidos.

A cirurgia tem um custo aproximado de U$120.000,00 (R$230.000,00). Graças a Deus nossa história é vitoriosa, o João é uma criança iluminada, feliz, sempre superou os obstáculos de maneira surpreendente, mas agora estamos precisando unir forças para além das orações, pois estamos necessitando arrecadar o valor da cirurgia às pressas.

Amigos, AJUDEM O JOÃO A LUTAR!

Banrisul AGÊNCIA: 0415 CONTA: 39.034470.0-1 Titular: Amanda Carlos Gomes (MÃE) CPF:005.613.380-43

João Francisco é filho do santiaguense Éverson dos Santos Bravo. Abaixo o vídeo da campanha:

terça-feira, 17 de abril de 2012

Pai(???) é preso após bater em menina de 9 anos no MS

O pai de uma menina de 9 anos foi preso depois de espancar a filha em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Imagens de uma câmera mostram o pai batendo na cabeça e nas costas da menina com um chinelo. A irmã menor assiste a tudo.

As imagens foram gravadas por um vizinho e encaminhadas para a polícia. Alessandro dos Santos Borges, o pai, disse que bateu na filha porque ela arrancou um ímã da geladeira. Ele e a madrasta da menina foram indiciados por lesão corporal dolosa, quando há intenção.

Não posso crer que isso ainda aconteça. Que absurdo! Um animal desses não pode ser chamado de pai. Pensando bem, nem de animal podemos chamar,  seria uma ofensa aos bichos que zelam por suas crias com a própria vida. Lamentável!!!

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Mau exemplo vindo da PRF



Despreparo? Incompetência? Que absurdo! Nada justifica a atitude do policial. Nada! O cavalo poderia causar um acidente? Sim. Mas é esse o meio correto de agir nestas situações? Lamentável!!! Na postagem original no youtube ainda tem gente que defende... Por favor!!! Alguma dúvida que isso passará impune?

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Homofobia tende a ser maior em quem tem atração pelo mesmo sexo




Quem é homofóbico tem mais atração por pessoas do mesmo sexo do que quem não é. Essa é a conclusão de um estudo realizado pelas universidades de Rochester, Essex e Califórnia (todas situadas nos EUA). Ao agredir um gay ou lésbica, o homofóbico está tentando reprimir o desejo por pessoas do mesmo sexo, de acordo com o estudo, publicado no "Journal of Personality and Social Psychology".

A pesquisa consistia em quatro experimentos e envolveu 160 estudantes universitários. Com o intuito de explorar a atração sexual explícita e implícita dos participantes, os pesquisadores mediram as discrepâncias entre o que as pessoas diziam sobre sua orientação sexual e como elas reagiam durante a realização de algumas tarefas.

Os participantes classificaram como gay ou hétero algumas palavras mostradas numa tela. No segundo experimento, os pesquisados escolhiam fotos de pessoas do mesmo sexo ou do sexo oposto. Esses testes mediam a atração sexual implícita.

Já os outros dois testes avaliavam como as crenças e a educação recebidas moldavam o comportamento dos jovens quanto ao homossexualismo. Segundo os pesquisadores, os resultados fornecem evidências para apoiar a teoria psicanalítica sobre o tema: a violência é a reação de quem não aceita o próprio desejo por medo do julgamento alheio.

E aí sr. Bolssonaro???

terça-feira, 10 de abril de 2012

Novas advertências nas embalagens de cigarro


Além de conter a logomarca e o novo número do serviço Disque Saúde (136), as imagens de advertência em produtos que contêm tabaco foram atualizadas e estão disponíveis na página da Anvisa. O Ministério da Saúde chama a atenção para os efeitos prejudiciais que o cigarro causa na saúde, como:

O uso do produto obstrui as artérias e dificulta a circulação do sangue
O envelhecimento precoce da pele
Doenças do coração, como o infarto.
Câncer de pulmão e enfisema.
Aumento do risco de derrame cerebral.
Em gestantes, o uso intoxica o bebê e causa parto prematuro ou morte.
Prejudica a saúde dos que respiram a fumaça, pois causa pneumonia e bronquite.

E como dizem que “uma imagem vale mais que mil palavras”, confira algumas das advertências que farão parte das embalagens:







É de se pensar a respeito!!!

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Enfim, Alícia...

E fica decretado então: Hoje deixo de ser o Félix santiaguense, o colorado, o músico e o psicólogo para me tornar apenas Félix, o pai da Alícia... e nada será como antes... Uma das primeiras fotos da nossa pequena... Muito felizes....


segunda-feira, 2 de abril de 2012

OLD porém GOLD Parte XX



Porque música boa nunca sai de moda!!!

Sem tempo!!!

Desculpem amigos pela falta de postagens por aqui. Ando envolvido com estudos e com o nascimento de minha filha, que deverá ser nesta quarta-feira. Aliás, o próximo dia que postar aqui, já será com uma foto da minha pequena. Que os astros me favoreçam nestes dias que estão por vir...

terça-feira, 27 de março de 2012

Inimigos no Facebook



Você é daqueles que adora fuçar na vida de ex-namorados (as), do colega chato do trabalho ou daquele velho adversário da escola via Facebook? Saiba que agora, além de uma lista de amigos, um aplicativo da rede social permite que você crie uma lista de inimigos.

O EnemyGraph funciona para criar uma “lista negra” em seus contatos. Também é possível declarar guerra a empresas que tenham páginas no Facebook. É só colocar alguém ou alguma página no serviço, que ela aparece na sua página como inimigo, assim como para outros usuários do aplicativo. Além disso, dá para eleger uma pessoa ou página como Arqui-Inimigo, aquele que você mais odeia entre todos os nomes da sua lista negra.

A ideia de Dean Terry, da Universidade de Texas, surgiu depois que mais de três milhões de pessoas assinaram uma petição pedindo que o Facebook incluísse um botão de “Não Curtir”. Com o EnemyGraph ele espera que pessoas se unam não apenas pelo que curtem, mas que encontrem afinidades através do que odeiam. A saga Crepúsculo, por exemplo, está na lista das páginas mais odiadas. Se a moda pega vai dar o que falar.... Fonte: Revista Galileu

quarta-feira, 21 de março de 2012

Meu filho é Down, e agora?



Qual seria a sua reação se descobrisse que seu filho nasceu com Síndrome de Down? Para muitos, seria motivo de desespero e até de revolta. No entanto, para alguns, essas crianças especiais são motivo de uma terna gratidão a Deus. Isso derruba preconceitos e insere na normalidade pessoas que merecem redobrado respeito.

A Síndrome de Down (denominação dada em 1866, pelo médico John Longdon Down, que descreveu seus portadores como mongolian idiots. O médico acreditava que a síndrome representava uma regressão por degeneração de raça mais primitiva (os mongóis),é caracterizada por um excesso no material genético. Ao invés de possuir 46 cromossomos, o bebê apresenta 47. O componente extra está ligado ao cromossomo 21, daí a síndrome também ser chamada de Trissomia do 21. Essa alteração genética provoca além de retardo mental, outras complicações na saúde da criança. Segundo o pediatra e geneticista Antônio Abílio Pereira de Santa Rosa, do Hospital Geral de Bonsucesso, no Rio de Janeiro, uma em cada 600/800 crianças nascidas possui Síndrome de Down. Estima-se ainda que, atualmente, existam 300 mil pessoas portadoras da síndrome.

Deste total, 50% apresentam cardiopatia congênita (má formação do coração), 10% desenvolvem cálculo biliar e 1% leucemia. Cada bebê nascido pode apresentar complicações diferentes, que podem afetar desde as articulações até a audição. Uma outra característica, informada pelo Dr. Santa Rosa, é que o menino down é estéril, enquanto a menina pode ter filhos, embora 50% de sua descendência herdarão a síndrome.

EXAMES DIFICULTAM DIAGNÓSTICO

A fitogeneticista Betânia Maria Andrade Pena, do laboratório Gene, localizado em Belo Horizonte (MG), explicou que a partir da 11ª semana de gestação a mãe pode fazer exames para diagnosticar se a criança tem down. A especialista, que faz parte da equipe do segundo laboratório no país a desenvolver estas técnicas, também desmistificou a tese de que apenas mães com idade avançada correm esse risco.

Ao contrário do que se imagina, o exame do pezinho, feito nos recém-nascidos, não detecta a Síndrome de Down. Os exames específicos para o caso são a amnioncentese (através do líquido amniótico), que pode ser feito a partir da 15ª semana de gravidez, e a coleta de vilo corial (através da placenta), a partir da 11ª semana. Em 10 dias o resultado fica pronto. A coleta do material genético, mais as análises laboratoriais custam ao todo 1.100 reais. Existe ainda um exame molecular, que detecta com 98% de precisão, com custo de 480 reais.

PRESENTE DE DEUS

A Síndrome de Down pode se apresentar como um fardo para algumas famílias, mas a maioria delas lida com o fato com naturalidade, após passado o susto da descoberta. Na verdade, essas crianças “especiais” passam a ser consideradas como presentes enviados por Deus para unir famílias, trazer alegria e superação das dificuldades.
Isso é o que confirma Denise Ferreira de Souza Costa, 47 anos, mãe de Alexandre, de 17 anos, que tem a síndrome. A securitária, que congrega numa igreja metodista, e tem mais dois filhos normais, conta que “Xandi é a união da família, não deixa ninguém ficar triste, parece um anjo”. Ela contou que houve um choque quando descobriu que o bebê tinha down, e que ela e seu marido ficaram muito tristes.

A esperança veio através do pensamento de que há famílias enfrentando problemas ainda piores. “Eu aprendo com a alegria dele, fiquei mais forte”, contou. Risonha, a mamãe Denise conta que Alexandre estuda em colégio especial em tempo integral, onde aprendeu a ler a escrever. Além disso, faz aulas de dança e de capoeira.

O mesmo carinho recebe Gustavo Patrick Prucoli, de 18 anos, mais conhecido em sua igreja como “Guga”. Vanessa Prucoli, sua irmã mais velha, expressa um carinho todo especial com o jovem.

“Meu irmão é tudo para mim. Sou muito apaixonada por ele. Considero-o como meu filho”, explicou. A moça, que pertence a uma igreja batista, contou ainda que Gustavo gosta muito de ir à igreja e que lá, canta, ora e desperta a simpatia e a admiração de todos. “Nossa mãe soube ensinar que ele é um presente, por isso nunca pensei nele como um problema ou um fardo, mas motivo de nossa alegria. O fato do Guga ser especial nos uniu. Costumo dizer que ele é o nó do laço que nos une”, afirmou.

TRATANDO COM NATURALIDADE

Para inserir pessoas com Síndrome de Down na sociedade e fazer com que se sintam importantes, não basta apenas amá-las, mas proporcionar a elas condições para exercer sua cidadania. “O que a família precisa entender é que eles não são um problema e sim uma bênção. É preciso usar metodologia especial, dentro da linguagem deles”. Com esta declaração a bióloga e musicista Lúcia Figueiredo, ensinou como se deve lidar com pessoas com down.

Ela, que também é sócio-educadora, desenvolve o projeto Ambientasom com crianças que possuem diversas deficiências, sejam mentais ou físicas, na Igreja Batista Betel, em São Paulo. Dentre as atividades desenvolvidas estão aulas de canto e de instrumentos musicais e zooterapia.

Há 12 anos trabalhando com crianças e jovens com down, Lúcia diz que a principal mudança que acontece quando uma criança dessas inicia atividades assim é o respeito que conquista das pessoas normais, que passam a considerá-la agente capaz de produzir alguma coisa e de possuir necessidades emocionais e espirituais como os normais.

Pedro Tavares de Melo, 56 anos, e pai de Amanda, de 9, segue à risca a recomendação dos médicos: tratar a pequena moça com naturalidade. “Ela briga, reclama, faz pirraça, como uma criança normal e eu a trato desta forma”, confirmou. Amanda nasceu quando sua mãe, a advogada Márcia Morais, tinha 40 anos, e apesar de ter tido problemas para andar e falar, hoje já está estudando em um colégio normal, cursando a alfabetização. “Para mim, ter uma criança com Síndrome de Down foi uma grande experiência de vida, pois olho para trás e vejo situações muito mais complicadas do que a minha. E agradeço a Deus”, disse Pedro.

Ser normal é uma sensação que Rogério Ferreira Gomes, de 25 anos, conhece bem. Mesmo sendo portador da síndrome, trabalha há um ano e meio no Mc Donald`s e namora há oito meses. Sua mãe, Maria José Ferreira Gomes, contou que ele sempre estudou em escolas especiais, o que proporcionou a ele um desenvolvimento de todas as suas faculdades. “Apesar de ter nascido com o corpo bem molinho, e só tenha andado aos dois anos, hoje ele tem uma vida praticamente normal, sai sozinho, vai ao cinema e reza todas as noites”, contou a mãe zelosa, cuja família é católica.

21 de Março - Dia Internacional da Síndrome de Down

terça-feira, 20 de março de 2012

És tu, outono?



És tu, outono? Que chegaste sorrateiro na madrugada?
Sim, és tu outono!
Tens o privilégio de, junto com sua prima(vera), alegrar a vida das pessoas.
Os primos verão e inverno, diferente de ti, 
despertam amor e ódio, concomitantemente...
Ama-se o verão no inverno e o inverno no verão, mas também há quem ame os dois, vai entender?
Odeia-se o verão no verão e o inverno no inverno, mas há também quem ame-os, vai entender?
Unanimidade és tu, outono! 
 Que pinta o chão com a maestria que lhe é peculiar...
Que torna o desfolhar triste das plantas em alegria de viver...
Seja bem vindo outono...
E ainda assim haverá quem deseje desesperadamente a chegada do inverno;
e depois o verão, a primavera, etc. etc. etc.
Seja bem vindo outono, e até logo...

sexta-feira, 16 de março de 2012

16 de março - Dia mundial do sono




O Dia Mundial do Sono foi lembrado hoje com uma ação do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas (InCor) a fim de divulgar a importância de dormir bem para preservar a saúde cardíaca. A equipe do Laboratório do Sono distribuiu panfletos e ficou à disposição da população na sede do InCor, zona oeste paulistana, para orientar sobre as doenças relacionados ao sono. As informações são da Agência Brasil.

O diretor do laboratório, Geraldo Lorenzi Filho, destacou que é cada vez mais frequente as pessoas dormirem menos por estarem envolvidas em outras atividades. "A gente vai dormir cada vez mais tarde, vendo televisão, fica na internet e no dia seguinte tem que acordar cedo", exemplificou.

"Isso, em médio e longo prazo, pode acarretar problemas. Desde os problemas mais óbvios, você estar cansado no dia seguinte, com menos memória, maior risco de acidentes, menor produtividade, até problemas cardíacos", alertou Lorenzi.

O médico destacou ainda o problema da apneia obstrutiva do sono, quando o paciente tem dificuldades para respirar durante a noite. "As manifestações clínicas são o ronco alto, que incomoda os outros. A pessoa acorda muitas vezes durante a noite, tem cansaço e sonolência durante o dia", destacou Lorenzi. Fonte: r7.com

quarta-feira, 14 de março de 2012

Bebês e suas futuras profissões (entrando no clima da paternidade)


Os pais têm uma constante preocupação com o futuro do filho. Qual será o caráter dele, se ele vai se envolver com bons amigos, se terá uma boa esposa/marido, se construirá uma vida com estabilidade financeira, qual carreira seguirá…

O último é exatamente sobre o que vou mostrar aqui. Alguns pais sonham com filhos médicos e advogados. Mas você consegue enxergar na rosto do bebezinho o que ele realmente será?

Pensando assim, o fotógrafo francês MondayMonday fez um ensaio fotográfico com bebês vestidos a caráter de várias profissões. Vejam como ficou:








Nenhuma destas? Tem problema não, eles saberão muito bem qual profissão escolher!!! (esperamos)

sexta-feira, 9 de março de 2012

Dia Nacional do Combate ao Sedentarismo




No Brasil, o sedentarismo é um dos principais fatores que causam as doenças cardiovasculares e atinge cerca de 80% da população, de acordo com o IBGE. Portanto, a prática de qualquer atividade física regular traz benefícios à saúde, principalmente ao coração.

Até dar uma voltinha pelo escritório no expediente de trabalho ajuda, como mostra o estudo australiano publicado no Diabetes Care. Uma recomendação científica é a de levantar a cada 20 minutos que estiver sentado para passear por 2 minutos.

Aqueles dias frenéticos que você mal tem tempo para levantar da sua mesa para ir ao toalete faz a recomendação parecer impossível de seguir. Mas pesquisadores descobriram que uma pausa regular para andar ajudou a reduzir os níveis corporais de glicose e insulina após a alimentação. Quando o corpo possui estes altos níveis, existe uma propensão maior para o desenvolvimento de doenças cardíacas e diabetes.

Outros estudos mostram que pessoas que assistem mais de 4 horas de TV por dia têm maior probabilidade de ter uma morte precoce. O líder da pesquisa apontou que quando nos sentamos, nossos músculos ficam em estado de desuso e não contraem ou ajudam a regular os processos metabólicos do corpo.

A pesquisa foi feita em 3 etapas com adultos acima do peso. Em um dia, o grupo ingeriu uma bebida calórica e ficou sentado por tempo integral, levantando-se apenas para ir ao banheiro. No outro dia, tomaram a mesma bebida e ficaram sentados a maior parte do tempo, mas fizeram pausas a cada 20 minutos para passearem pelo escritório por 2 minutos. No último dia, fizeram a mesma coisa, mas intensificaram as atividades físicas nas pausas.

Nos dias em que a pessoa ficou sentada sem interrupções, o pico de açúcar no sangue dentro de uma hora da bebida resultou de cerca de 90 miligramas por decilitro (mg/dl) a cerca de 144 mg/dl. Quando houve o passeio a cada 20 minutos, o açúcar subiu de 90 mg/dl para apenas 125 mg/dl.

Em geral, levantar e engajar em atividades leves reduziu o aumento total da glicose por uma médica de 24%, comparado ao grupo que manteve sentado. Essa diferença foi de quase 30% para aqueles que realizaram atividades mais intensas. Fonte: blogdasaude.com.br

sábado, 3 de março de 2012

Músicas que nem o Rock salvaria…


Que existem muitas músicas sem sentido por aí todos sabem… E sabemos também da fama que os Rock têm dentre os sons mundiais, afinal fazem parte desse gênero grandes composições. Com toda esse histórico de belas canções nem mesmo o Heavy Metal seria capaz de salvar muitas das músicas que fizeram e fazem sucesso. Como foi dito salvação não há, mas ao menos amenizar algumas melodia terríveis o “Metaleiro” deve conseguir, confira:
 
Sou Foda

Ragatanga

É o Tchan, Justin Bieber e Michel Teló

Friday

Tiririca – Florentina

O que achou da nova versões das músicas? Fonte: minilua.com @Nandy Martins

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Fique atento aos sinais de depressão



Ao envelhecer, muitas mudanças ocorrem no nosso corpo e mente. Contudo, a depressão não é uma parte normal do envelhecimento. Sinais de depressão, como fadiga, indecisão, estresse e ansiedade, podem não ser levados em consideração na hora de um diagnóstico, podendo acarretar graves incidências, como o suicídio. Aliás, 70% das vítimas adultas de suicídio viram seu médico no mês de sua morte, segundo o Índice de Saúde.

A depressão agrupa vários sintomas e alguns são mais perceptíveis para aqueles que convivem com a pessoa. Por isso, fique atento nas seguintes mudanças de comportamento:

- Fadiga ou desaceleração de movimentos físicos, linguagem e processos de pensamento.

- Excesso de sono ou o contrário, insônia.

- Problemas de saúde como prisão de ventre ou diarreia, dores de cabeça e nas costas.

- Irritabilidade, pensamentos negativos, dificuldade para se concentrar.

- Agressividade, raiva, hostilidade.

- Estresse, ansiedade, pressão social.

- Abuso de substâncias como álcool ou drogas.

- Perda de desejo sexual, disfunção erétil.

- Indecisão, incapacidade de fazer escolhas.

- Pensamentos suicidas


Quando suspeitar que alguém que você conhece está deprimido, é importante falar com um profissional de saúde. Felizmente, existem tratamentos eficazes e a depressão costuma responder bem a eles.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Ira, Tristeza, alegria, medo e culpa: por que agimos do jeito que agimos?



Como seres humanos, temos orgulho do fato de sermos criaturas intelectuais, que pensamos e racionamos. Descartes disse que “porque penso, eu existo”. Antes de agir, pensamos e geralmente planejamos o que faremos. Mas antes de pensar existe outro fator forte, uma energia que influi demais na maneira de pensarmos. São os sentimentos que fazem parte de nosso ser. Existem milhares de sentimentos, mas podem ser resumidos em 5 básicos: ira, tristeza, alegria, medo, culpa.

 Tudo que pensamos para chegar à ação passa pela presença dos sentimentos que dão um “colorido” aos pensamentos. Ninguém existe num vácuo, tão objetivo que as circunstancias e acontecimentos atuais não pesem na maneira de reagirmos na hora do agir. Todo o mundo sabe que não devemos permitir que coisas externas ditem a nossa conduta, mas o fato é que exercem uma influencia incrível. Alguns conseguem criar uma altitude interior que supera esta força ou dirigem essa energia para algo positivo.

Por que estes sentimentos são universais, isto é, todos nós os sentimos, não é difícil entender intelectualmente suas presença. O que ignoramos, às vezes, é a força que exercem sobre nós. Vejamos:

Ira. Ficamos aborrecidos, irritados com os atos de outras pessoas. Algo acontece que perturba nossos planos. Ficamos zangados até com Deus! Certas pessoas conseguem lidar com essa força. Em vez de criticar e atacar o outro com palavras ásperas, atos de violência etc. redistribuem essa energia. Livram-se do ressentimento que surge na garganta ou no coração, envenenando nossa alma com pensamentos amargos que geram atos negativos. O que não faríamos com paz e tranqüilidade no coração, sob o impulso da raiva podemos cometer uma loucura.

Tristeza. Na vida de cada ser humano, um pouco de chuva fria tem que cair. Estamos na fossa. Tudo é preto. Estamos desanimados, sem entusiasmo para fazer nossos deveres ou obrigações. Entramos numa “cova” e evitamos contato com outros. Nossa alma deprimida fecha-se para a vida. É verdade que ninguém escapa de problemas e dificuldades, mas não é bom permanecer nesta fase. O luto depois da morte de alguém especial é normal, mas nossa vida continua também. Perder um posto ou até nosso emprego é um problema, mas não é o fim de tudo. Uma pessoa equilibrada e sadia sabe conviver com a tristeza na hora certa, e também não deixa sua influência bloquear as outras atividades que continuam.

Alegria. Quem não quer ficar “numa boa”, estar por cima, tudo azul? A vida tem mais gosto e prazer quando nos sentimos “leves” e animados. Temos coragem de iniciar uma atividade complicada e complexa. Perdoamos mais rapidamente as ofensas e defeitos dos outros. Estendemos com mais facilidade uma mão amiga para ajudar. O sorriso nos lábios reflete a musica que canta no coração. Como o ditado popular diz, tudo que é bom dura pouco. Mas, quantas horas e quanto dinheiro gastamos para conseguir alegria e felicidade.

Medo. A virtude da coragem tem sido valorizada desde os tempos antigos, pois um bom soldado salva o clã ou a tribo. Mas, o medo pode alertar-nos dos perigos de que nos devemos defender. Ter medo é também prudência, é reconhecer o fato que algo de nocivo está por perto. Assim ficamos apreensivos, nervosos, preocupados, desconfiados e temos tantas outras reações. Não dormimos no ponto.

Culpa. Existem dois tipos de culpa: saudável e não-saudável. Saudável é a que sentimos quando fizemos algo errado, um pecado ou crime. Sabemos que estamos praticando algo mau, contra a lei moral, contra Deus, contra a lei civil. Culpa não-saudável é uma aberração emocional, quando nos sentimos mal por algo que não foi de nossa conta. É sentimento neurótico de culpa. Não é necessário. É doença mental que pode ser curado com tratamento.

Em resumo, queremos lembrar que nossos atos e atividades são frutos de nossa maneira de pensar. E nossa maneira de pensar pode ser alterada pelos sentimentos, que ofuscam a objetividade da razão; que nos levam a imaginar atos de agressão e violência quando estamos zangados; a deixar de cumprir nosso dever quando estamos tristes; a nos arriscar quando estamos alegres; a fugir do perigo quando temos medo; a arrepender-nos do mal cometido quando sentimos culpa pelo que fizemos.

Em si, os sentimentos não são nem bons nem maus, mas pesam bastante na maneira de enxergarmos a realidade à nossa frente. Não sentirmos nada seria anormal. A questão é reconhecer os sentimentos e emoções que funcionam em nossa vida e, depois agir segundo as normas corretas. Pe. Luís Kircher

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Copa Santiago - considerações


Adoro futebol e as coisas que envolvem esse meio. Confesso que fui ao estádio ontem dividido, ou como dizem: 60/40. Embora tenha enorme carinho por esta terra, meu sangue vermelho sempre irá prevalecer. Vi um jogo parelho, com a melhor chance de gol desperdiçada pelo Cruzeiro no início da etapa final. O Cruzeiro teve a derradeira penalidade, a chance de continuar fazendo história, desperdiçou e por capricho do destino, acabou perdendo na sequência.

Como não sou bobo, fiquei para a tradicional "secada", embora não tenha sido preciso nos últimos tempos. Arrependi-me enormemente! Não pelo resultado e desclassificação do rival, mas pelo "espetáculo" de descontrole proporcionado pelos atletas do clube da azenha ao final do jogo. O pior foi ver a "geral" atirando pedras enormes em campo podendo acertas os próprios atletas por quem cantam. Muito triste! E na saída ainda promovem um legítimo arrastão. Tem que rever isso aí...

Aliás, sobre as "organizadas" da dupla, ouvi várias reclamações a respeito de alguns cantos entoados pelas mesmas. Mulheres e, principalmente crianças, ouvem, dentre outras, as seguintes palavras:

"Atirei o pau no (Grêmio/Inter)... e mandei tomar no c...
(macacada/gremista) filha da p...
chupa r.... e dá o c.... ei (Grêmio/Inter), vai tomar no c....
Olê (Grêmio/Inter), Olê (Grêmio/Inter)..."

Afora isto, espero que meu Inter saia pela 11ª vez campeão, embora ache a equipe do Palmeiras muito superior. Veremos. Parabéns a direção do Cruzeiro pela bela copa, com alto nível e organização. Pena a falta de um público maior. Segue abaixo a lista com todos os campeões da Copa Santiago:

2011 Campeão: Internacional/RS       Vice: Danubio (URU)
2010 Campeão: Internacional/RS       Vice: Gama
2009 Campeão: Internacional/RS       Vice: América/MG
2008 Campeão: Grêmio/RS                Vice: Internacional/RS
2007 Campeão: Internacional/RS       Vice: Goiás/GO
2006 Campeão: Atlético/MG              Vice: Atlético/PR
2005 Campeão: Internacional/RS       Vice: Grêmio/RS
2004 Campeão: Cruzeiro/MG             Vice: Vitória/BA
2003 Campeão: Internacional/RS       Vice: Atlético/PR
2002 Campeão: Cruzeiro/MG             Vice: Vitória/BA
2001 Campeão: Internacional/RS       Vice: Grêmio/RS
2000 Campeão: Grêmio/RS                Vice: Cruzeiro/MG
1999 Campeão: Fluminense/RJ          Vice: Juventus/SP
1998 Campeão: Grêmio/RS                Vice: Criciúma/SC
1997 Campeão: Grêmio/RS                Vice: Criciúma/SC
1996 Campeão: Grêmio/RS                Vice: Internacional/RS
1995 Campeão: Grêmio/RS                Vice: Criciúma/SC
1994 Campeão: Nacional (URU)         Vice: Seleção Juvenil da China
1993 Campeão: Internacional/RS       Vice: Grêmio/RS
1992 Campeão: Internacional/RS       Vice:  Independiente (ARG)
1991 Campeão: Matsubara/PR           Vice: Grêmio/RS
1990 Campeão: Internacional/RS       Vice: Fluminense/RJ
1989 Campeão: Nacional (URU)          Vice: Grêmio/RS